O evento reuniu em torno de 1300 pessoas,contra a média de 900 das versões anteriores. Eram notebooks por todos os lados, pessoal assistindo às palestras e testando os códigos abordados em cada uma. Além disso, a gente pôde se divertir com máquinas de fliperama, um ótimo networking, show de rock e um bolo gigante (e delicioso) no final do evento.

Teve até uma campanha bem legal de doação para o desenvolvedor front-end Leonardo Konarzewski que está com câncer e que cuja história pode ser acompanhada em http://leokz.com/campanha. A Nextt participou doando um exemplar do livro http://javascriptbook.com para um leilão beneficiente que arrecadou R$100,00 para a campanha.

Mas a atração principal foi mesmo o Brendan Eich, criador do JavaScript. A palestra foi a última do BrazilJS 2015 e ele falou bastante do ECMA Script 6, a nova versão dos padrões do javascript, que é o assunto do momento em desenvolvimento front-end. O que eu pude notar é que essa nova versão afetará bastante nós desenvolvedores, já que as mudanças foram muitas. Teremos novas formas de desenvolvimento utilizando a mesma linguagem.

Algumas das mudanças realizadas no ECMA script 2015, chamado de ECMA script 6, giram em torno de melhorias de sintaxe e de questões estruturais. Essa é a atualização aprovada mais significante do ECMA script desde 1999 e é agora um padrão internacional. Ou seja, os desenvolvedores de browsers podem completar a implementação desse padrão, sabendo que ele não será mais mudado.

Os principais objetivos do ECMA script 6 estão relacionados a um melhor suporte a grandes aplicativos, à criação de bibliotecas e ao uso do ECMA script para outras linguagens. Segundo Brendan Eich as atualizações agora serão mais frequentes, com melhorias anuais, em vez de uma grande revisão a cada 5 ou 15 anos. No entanto, o ECMA script 6 será provavelmente a linguagem de programação mais importante das próximas décadas.

Agora nós desenvolvedores vamos começar a trabalhar com esse novo padrão e, aos poucos, sentir as mudanças. E para melhor, esperamos.